Pólis

arquivos
eu
meus outros blogs
também aqui
blogs bacanas


sexta-feira, janeiro 31, 2003  

Ah, tem coisa nova no Pequeno Dicionário.

escrito por Fabio Fernandes | 1/31/2003 09:57:00 da tarde
 

Ah, se inveja matasse... Vou contar a vocês, o Paulo Polzonoff já é bom. Apaixonado, então... O cara comete uma das declarações de amor mais bonitas que eu já li. Vão lá e confiram o blog do moço. Eu já vou colocar agora nos meus favoritos aqui do lado.

escrito por Fabio Fernandes | 1/31/2003 09:39:00 da tarde
 

Tem Dramaturga Nova na Praça! Ontem, jantar e um papo ótimo (como sempre, diga-se de passagem) com a minha amiga Paulinha Foschia, que acaba de virar dramaturga. Sem sacanagem: a moça quando decide uma coisa, não tem quem segure. Começou agora a escrever uma comédia que, se depender da primeira cena que li, tem tudo para estourar. Muito bem escrita, e como se não bastasse isso (tão difícil hoje em dia), ela de cara já conseguiu uma das coisas mais difíceis de se fazer em dramaturgia: o timing. Sim, senhores, o quesito cronometragem, principalmente em comédia, é dificílimo. E com Paula é que nem aquela peça dos Fodidos Privilegiados: tudo no timing.

Dou a maior força para ela! E vocês, façam o favor de comparecer a estréia (que, a julgar pela velocidade com que ela está escrevendo o texto, não deverá demorar muito não...)

escrito por Fabio Fernandes | 1/31/2003 09:34:00 da tarde


quarta-feira, janeiro 29, 2003  

Mais Blogs Bacanas. Nos últimos meses, muitos blogs bons têm me linkado, o que deixa este ex-lanceiro e atual dicionarista muito feliz e agradecido. Aos poucos vou citando os ditos-cujos aqui e, evidentemente, colocando links para eles também no Polis:

Pensar Enlouquece. Pense Nisto. Este, para os poucos malucos e hereges que ainda não conhecem, é o blog do Alexandre Inagaki. Tive o prazer de conhecer pessoalmente o Inagaki há alguns meses aqui em Sampa, e ele é um sujeito muito legal, boa-praça, como se dizia no tempo do meu pai. O que dizer do blog dele? Posts inteligentes e bem-sacados, sempre com dicas interessantes de outros sites, de filmes e livros. Com um “plus a mais”: sensibilidade. Escreve bem, o moço. Dá inveja. Se pensar muito nisso, a gente até enlouquece. Mas não dá pra parar de pensar. Nem de ler. Pensem nisto.

Excertos de Uma Vida Provisória. Segundo meus cálculos mais recentes, até o final de 2002 existiam uns quatro blogs com o nome “Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos”. O primeiro, justiça seja feita, foi o do Hefestus, que, ao perceber essa proliferação Rubem-fonsequiana no blogverso, teve a generosidade de deixar o título para os demais e colocou este nome bonito às pampas no seu blog. O resto não mudou: os pensamentos deste gaúcho apaixonado pelos gregos continuam lá, com uma certa angústia, mas com uma verve que vou te contar.

Sei que pareço vago, mas qualidade de texto não se disseca. A melhor maneira de entender um texto é através da fruição. E estes dois blogs têm de ser fruídos, saboreados.

escrito por Fabio Fernandes | 1/29/2003 04:02:00 da tarde


terça-feira, janeiro 28, 2003  

Matéria Nova no Webinsider! Pois é, depois de longo inverno, olha eu lá de novo. As confusões do início do mestrado no semestre passado e algumas experiências malsucedidas em outros sites fizeram com que eu acabasse me afastando do Webinsider, que foi o primeiro site realmente bacana onde eu trabalhei na Web. Ele andou sofrendo uns ataques esquisitos e sem sentido por parte dos membros de uma lista de discussão, mas segue seu (ótimo) caminho com dignidade, sem se envolver com picuinhas que de produtivo não têm nada.
Eu não havia saído do Webinsider, mas quando dei por mim, já estava há vários meses sem escrever nada para eles. Isto acabou a partir de hoje, com uma resenha sobre o interessante 13 dos Melhores Contos de Vampiros da Literatura Universal, da Ediouro. E em breve devo retomar minha coluna sobre Conteúdo também. Sim, porque, convenhamos, não é preciso ser descolê para ter coluna em site, certo? Basta ter o que dizer.

escrito por Fabio Fernandes | 1/28/2003 08:47:00 da manhã


domingo, janeiro 26, 2003  

Blogueiro profissional. Emprego bom! O título deste post não é meu, é do Sérgio Charlab, que manda avisar:

Não sei o que ele pretende, mas ouvi dizer que o Sérgio Charlab está procurando candidatos a blogueiros "profissionais" -- gente que tem tempo, criatividade e disposição para blogar com frequência, e que adoraria receber algo em reconhecimento à qualidade de seu blog. Note que você não será pago para blogar, nem terá de ficar blogando oito horas por dia. Muito menos receberá um tema ou missão para blogar. O que o Charlab quer é o oposto: ele está em busca de um texto interessante no seu blog (pode ser uma frase bem sacada, um post sensível, uma história bem narrada). Não adianta blogar pensando nisso. Tem de ser espontâneo.

Para saber se você se qualifica basta que tenha um blog criado entre junho de 2002 e ontem (12 de janeiro de 2003). Esse blog deve ter pelo menos um post por mês (quanto mais melhor) e deve conter pelo menos dois posts em primeira pessoa (usando pronome "eu"). A pedido do Charlab, vou coordenar as inscrições, que devem ser feitas aqui mesmo, através do sistema de comentários onde, óbvio, além da mensagem você deve preencher os campos de nome, e-mail e endereço do blog. Boa sorte!

E não seja inseguro querendo garantir o seu: espalhe a notícia! Diga aos seus amigos para citarem o seu nome/blog ao se inscreverem, pois isso, prova da sua generosidade de repartir informações, vai contar também.


Eu me inscrevi e fiz minha parte, Charlab! ;-)

Agora, falando sério: se é o que eu estou pensando, é a jogada de marketing mais bem-sacada dos últimos tempos para levantar a revista Seleções...

escrito por Fabio Fernandes | 1/26/2003 08:01:00 da tarde
 

Outros agradecimentos. Não esqueci de ninguém, é que a vida anda corrida nas últimas semanas, mas quero agradecer as pessoas que têm citado, linkado e elogiado os meus arquétipos do Pequeno Dicionário. Três que eu não citei aqui foram o Ricky, o Ivan (que tem um blog superbacana que eu não conhecia, que leva seu próprio nome e tem o slogan de DIANTE DA GLOBALIZAÇÃO DA MISÉRIA, GLOBALIZEMOS A REVOLTA !! (Isso é que é slogan, o resto é conversa mole) e que eu sei que é leitor diário, e o Luiz Felipe, meu camarada fã de FC e RPG que eu já havia citado aqui mas idiotamente esqueci de linkar. Muito obrigado pela força!

escrito por Fabio Fernandes | 1/26/2003 07:55:00 da tarde
 

E tome Copy & Paste! Acabo de descobrir que o Pequeno Dicionário foi linkado pelo senhor Ratapulgo, que comanda o recém-criado blog Copy & Paste, que, segundo as próprias palavras do seu editor, faz um "garimpo de pepitas e piritas cotidianas nos blogs brasileiros." Garimpo bem interessante, diga-se de passagem.
Ah, o conto escolhido foi Efeito Colateral, que está mais abaixo, no post do dia 24. Valeu, ratapulgo! Este dicionarista agradece penhorado.

escrito por Fabio Fernandes | 1/26/2003 07:49:00 da tarde
 

Fim de semana discoteca-básica. Peço licença ao Ricardo Schott para usar o nome do blog dele (que ele por sua vez tomou de empréstimo à finada seção da Revista Bizz), porque meu final de semana está sendo anormalmente musical. Quem lê este blog e lia o Lanceiro Livre sabe que sou um contumaz e irrecuperável homem de livros - mas curto lá a minha musiquinha. Esta semana passei um dia no Rio e, antes de voltar para casa, passei na excelente Gramophone (Rua Sete de Setembro, 92 Lj105/106 - por incrível que pareça, não encontrei nenhum website), onde eu não ia há eras, mas onde sempre encontro CDs bons e baratos. Desta feita, comprei quatro, que foram a trilha sonora deste fim de semana. Confira abaixo:

Espelho D'Água, de Cristina Braga. Conhecem? Pois é, eu não conhecia até o início do ano, quando o programa Almanaque, da GloboNews, exibiu uma entrevista com esta incrível harpista. Sim, senhores, h-a-r-p-i-s-t-a. Que faz miséria com seu instrumento. Tocou uma música do Gismonti superbem, e me fez lembrar que afinal a harpa é um instrumento de corda, e teoricamente pode tocar tudo o que um violão ou um contrabaixo tocam, por exemplo. Teoricamente não: Cristina Braga faz mesmo. Espelho D'Água é o terceiro CD da moça, que toca suas composições em parceria com o marido, o violonista Ricardo Medeiros. Comprem já.

Voz no Ouvido, Pedro Mariano. Este não é novo - o rapaz já lançou mais um álbum - mas vale a pena mesmo assim. A voz dele melhorou muito desde o primeiro CD, e quase todas as faixas são bem dançantes. Mas não é só a isso que se restringe o trabalho do Pedro; confiram a regravação de profissionalismo é isso aí, uma música antiga de Bosco e Blanc que tem tudo a ver com o momento Fernandinho Beira-Mar que andamos vivendo.

A Noite Vai Chegar, Lady Zu. Alguém lembra dela? No ano passado ela chegou a aparecer no Gordo A-Go-Go, na MTV, e anda ensaiando um retorno mais que bem-vindo em tempos de neopagode e funk-cachorrão. Junto com Gerson King Combo, Lady Zu foi a cantora de soul/funk mais bem-sucedida da década de 1970. A faixa-título foi um hit absoluto em 1977, mas outras faixas como Novidades e Não Deu em Nada fizeram muita gente sacudir o esqueleto nos bailes da vida (inclusive este que vos digita - sim, senhores, eu sou velho!). Este CD faz parte da Coleção Samba & Soul, remasterizada por Ricardo Garcia com a supervisão do titã Charles Gavin. Constam desta coleção os fantabulásticos Samba Esquema Novo, do Jorge Ben (sem o Jor, please) e Cuban Soul, do Cassiano, mas estes estão difíceis de encontrar. Recomendo a coleção inteira, claro.

Elis Especial, Elis Regina. Álbum lançado em 1968, com boas gravações como Samba do Perdão e Upa Neguinho. Uma das faixas mais bonitas é Corrida de Jangada, de Edu Lobo e Capinam. Tem também um pot-pourri chamado Tributo à Mangueira, mas não ficou tão bacana, infelizmente. Mas sempre vale a pena, porque Elis é Elis.

Conferindo as compras, percebo agora que são cinco os CDs, e não quatro. Um deles eu comprei na Berinjela, com o Edu. Trata-se do Electroacústico do grupo Zero, um comeback interessante mas que eu estou pegando meio atrasado, shame on me (é de 2001). De qualquer maneira, como diria Rita Lee, é um caloroso espetáculo: o vozeirão do Guilherme Isnard continua muito bom, e as versões de sucessos como Agora eu Sei e Formosa ficaram legais - embora eu ainda prefira os álbuns originais, que não possuo mais (alguém sabe se saiu em CD?)

escrito por Fabio Fernandes | 1/26/2003 06:21:00 da tarde
 

Interessantíssimo também é o discurso que Lula fez em Davos hoje. A íntegra pode ser conferida aqui.

escrito por Fabio Fernandes | 1/26/2003 05:49:00 da tarde
 

Interlúdio mezzo político. Para quem tinha saudades dos tempos em que eu falava (pouco) de política, a dica do dia é um texto interessantíssimo do escritor John Le Carré sobre a política autoritária de Bush. Carré não é qualquer zé-mané: trabalhou para o Serviço Secreto Britânico entre 1959 e 1964 e escreveu ótimos livros de espionagem, como O Espião que Saiu do Frio e A Casa da Rússia, ambos publicados no Brasil e filmados por Hollywood. Vale a pena (tanto os livros dele quanto o artigo.)

escrito por Fabio Fernandes | 1/26/2003 02:09:00 da tarde


sábado, janeiro 25, 2003  

Post-declaração com destinatário certo.

dizem que em alguma parte
parece que no Brasil
existe um homem feliz
(Maiakovski, 1913 - apanhado no blog da Maira.)

Eu sou um homem feliz. Por sua causa, meu amor.

escrito por Fabio Fernandes | 1/25/2003 03:04:00 da tarde


sexta-feira, janeiro 24, 2003  

Elogio é isso, o resto é conversa. Fiquei comovido como o diabo (obrigado, Drummond) com o elogio que a Elvira Vigna fez ao meu trabalho no blog dela. Reproduzo abaixo:

Fabio Fernandes versus Dennis Lehane

Ontem em O Globo havia um elogio de primeira pagina inteira, do Segundo Caderno, a um escritor, Dennis Lehane. Comecei achando que não conhecia. Depois foi vindo um eco nas palavras 'revelação', 'jovem geração'. Fui conferir e batata, era o mesmo carinha de um livro que eu não tinha gostado e sobre o qual tinha feito um blog tempos atrás.
Para rememorar o blog (12/09/02):
(Saí e fui ler um livro. Era um policial que eu não lembro o nome, escrito por um cara cujo nome eu também não guardei, mas que era apresentado na orelha como um dos mais brilhantes da nova safra - tomate lustrado com o pano de prato. A história era sobre negros em Los Angeles, ou Alabama. Boston. Era Boston. E seguia uma receita: nós (os dois detetives - menino e menina - que eram apenas bons amigos mas que trepam no final) somos os fodões, inteligentes paca, corajosos até dizer chega, conseguimos enfrentar a gangue de rua e os senadores corruptos no congresso mas também temos nossas dificuldades: o carro é velho e a gente bebe muito. Ah, era Washington.)


Sempre fico perplexa. O cara é ruim. É previsível, sua linguagem 'coloquial' parece artificial, na linha dos ingleses do começo do século que brilhavam em frases espertinhas nos salões de então. Fico perplexa.
Enquanto isso, o Fabio Fernandes continua escrevendo muitíssimo bem, mesmo sem o paietê. Embaixo um de seus novos contos. Se quiserem mais, cliquem aqui.

Efeito colateral (pra Marcelo Mirisola)
Parei de tomar o remédio tem dois dias. Antes do remédio, insônia, angústia, ansiedade, vontade de chorar, vontade de dar porrada, de cortar os pulsos, de tomar alguma coisa só pra poder simplesmente descansar, dormir e não acordar mais, você entende? Não era pra me matar.
Depois do remédio, gordo, gordo, gordo, engordei, fiquei cheio de espinhas, perebinhas, a caspa aumentou, tem seborréia até na sobrancelha, semana passada descobri uma poeirinha esquisita nos cílios.
Foda-se a calma. Parei com o remédio tem dois dias. A vontade de cortar os pulsos já voltou, mas pelo menos as espinhas sumiram.


E tem mais coisa aqui. Obrigado de coração, Elvira.

escrito por Fabio Fernandes | 1/24/2003 03:21:00 da tarde


quarta-feira, janeiro 22, 2003  

Uma saideira, muita saudade. "Pior que ser pobre é se entregar." A frase é de Dona Zica, que não se entregou e lutou até o fim. Vou agora beber com uns amigos. Farei um brinde à senhora. Vá com Deus e dê um abraço forte no Cartola. Estamos com saudades.

escrito por Fabio Fernandes | 1/22/2003 08:08:00 da tarde


terça-feira, janeiro 21, 2003  

Mas continuo publicando no Pequeno Dicionário.

escrito por Fabio Fernandes | 1/21/2003 12:58:00 da tarde
 


Do amor de Fuad pela morena Graziele

Coronel Cícero tentava desviar os olhos de Graziele, mas era difícil não reparar na maneira gostosa com que a moça preparava o vatapá. Enquanto Graziele acariciava a farinha, o coronel só conseguia pensar em ter a coxa da cabrita em sua boca. Fuad fingia não perceber o atrevimento do homem mais poderoso da cidade. Desafiar o dono da Fazenda Desterro? Só com muita justeza e proteção de Oxalá, melhor aquietar a cabeça e manter aquele amor guardado junto com a peixeira.

- E o que é que eu vou fazer agora?

A voz de Graziele quebrou o silêncio tenso do ambiente. Mas por pouco tempo. Ela sabia que não teria respostas. Não era sua voz, mas seu par de coxas que chamava a atenção daqueles dois. Ela não valia mais do que um Garfo. Melhor esquecer. Melhor nem foder. Voltou a acariciar a farinha.


Gostaram? As palavras-chave são minhas, mas o texto é deste engraçadíssimo Gerador de Textos de Jorge Amado do Mundo Perfeito.

escrito por Fabio Fernandes | 1/21/2003 12:54:00 da tarde
 

Vou te contar, hoje o Joaquim Ferreira dos Santos está inspirado.

escrito por Fabio Fernandes | 1/21/2003 12:50:00 da tarde


segunda-feira, janeiro 20, 2003  

Free Cocadaboa!

Participe também! Copie e cole em seu blog!

escrito por Fabio Fernandes | 1/20/2003 08:11:00 da tarde


domingo, janeiro 19, 2003  

Neuromante Queima Cromo. Quem viveu no Rio de Janeiro dos anos 1970 deve se lembrar de uma estranha pichação nos muros da cidade: Celacanto Provoca Maremoto. Muita gente não entendeu nada, e até hoje tem gente que queima a mufa tentando entender o que diabos é isso.
A frase é de um dos episódios da série National Kid, o primeiro herói japonês a fazer sucesso no Brasil, e que tem um bonito fan site aqui.

A frase-título deste post não existe e acaba de ser (pessimamente) inventada por este que vos digita, numa mistura de homenagem ao nationaro kido e ao cyberpunk mais querido do Brasil, Mr. William Gibson. Conforme já anunciado aqui (e agora na minha lista de blogs favoritos), Gibson tem um weblog, sempre com posts inteligentes e que têm algo a dizer, como é o caso do de ontem, sobre a possível extinção das bananas (isso é sério, boys, girls and transgenders) e influências literárias.

Falo em Gibson porque acabo de pagar uma dívida comigo mesmo: eu já li todos os livros dele (Neuromancer três vezes), mas ainda não tinha lido sua coletânea já clássica de contos, Burning Chrome. Comprei-a há alguns dias na Livraria Cultura e acabei a leitura esta tarde. Burning Chrome contém histórias escritas por Gibson de 1977 (Fragments of a Hologram Rose) a 1985 (Burning Chrome), mas a maioria é de 1981, incluindo Johnny Mnemonic, que chegou a ser traduzida para o português num encarte da finada revista General.

É impressionante como não há nenhum conto datado. Pode-se argumentar que esta ou aquela ambientação é um pouco eighties, mas de modo geral todas as histórias têm um ar de frescor, de coisa nova, de choque cultural profundo e irremediável entre o passado e o futuro que se faz presente hoje. O conto-título e Johnny Mnemonic pertencem rigorosamente ao mesmo universo de Neuromancer (a tecnologia é a mesma, por exemplo, e uma curiosidade para quem não lembra: Johnny é citado por Molly - a moça dos mirrorshades implantados no rosto - em Neuromancer. New Rose Hotel e The Winter Market parecem fazer parte desse universo, mas não são tão focados. De qualquer maneira, os elementos estão todos lá: um Japão corporativo que domina a tecnologia no mundo, americanos outsiders tentando se dar bem e quase sempre se dando muito mal, e aquele mix high-tech/low-tech que só o Gibson (e Bruce Sterling) é capaz de fazer bem-feito. Uma boa surpresa são os dois contos de terror da coletânea: The Belonging Kind, escrito em parceria com o colega do Movimento Cyberpunk John Shirley (que entre outras coisas é roteirista de O Corvo, aquele com Brandon Lee) e Hinterlands, uma história muito diferente da que estamos acostumados a ler em termos de cyberpunks: terror no espaço. Muito melhor que Alien, claro.

Resumo: corram e comprem já. Não esperem a tradução para o português - que infelizmente, jamais sairá.

escrito por Fabio Fernandes | 1/19/2003 10:18:00 da tarde


sábado, janeiro 18, 2003  

Outro blog bacana é o Perto do Coração Selvagem, do Guilherme Lamenha. Nome lindo de doer para um blog. É, senhores, 25 anos sem Clarice. Mas o Guiu, que é como o Guilherme é mais conhecido, presta uma bela homenagem a ela com este blog com posts poéticos sem pieguice - e uma saborosa lembrança dos anos 80 (confiram o post sobre a Gang 90).

escrito por Fabio Fernandes | 1/18/2003 09:24:00 da manhã
 

Falando no Pequeno Dicionário, ainda não agradeci aos blogs que o linkaram. Obrigado, Ricardo, Rossana, Carolina e Marcelo. Espero que estejam gostando.

Aliás, eu estava em dívida com a Carolina e com o Marcelo. A Carolina Vigna-Marú é designer e tem um dos blogs mais bonitos da praça, sempre com ótimas dicas de sites de fotografias e de designers. Como se não bastasse, a danada ainda é filha da Elvira Vigna, escritora, e que também tem um blog de primeira, com belas sacadas literárias e de vida. Sou fã das duas - ainda que tenha andado em falta com elas ultimamente. Agora não mais: tem links pros dois blogs à sua esquerda, schifazfavoire.

E o Marcelo Galvão é o feliz proprietário do Serendipity (nome legal para um blog, hein?), que fala de quadrinhos (um dos meus assuntos prediletos), livros e RPG. Mas não espere blablablá nerd: o cara tem conhecimento de causa e senso crítico, o que é raro e sempre muito bem-vindo. Também está entre os meus links recomendados agora, ora bolas. E tenho dito.

escrito por Fabio Fernandes | 1/18/2003 09:18:00 da manhã


sexta-feira, janeiro 17, 2003  

E tem coisa nova no Pequeno Dicionário.

escrito por Fabio Fernandes | 1/17/2003 08:55:00 da manhã
 

Livro Recebido: 13 dos Melhores Contos de Vampiros da Literatura Universal (organização de Flávio Moreira da Costa). Confesso que me empolguei quando soube do lançamento deste livro, pelo menos por um motivo: a história Eu Sou a Lenda, de Richard Matheson. Para quem não sabe, Matheson é responsável por muitos dos melhores episódios da série clássica Além da Imaginação, e de livros que depois de tornaram ótimos filmes, como O Incrível Homem que Encolheu e os recentes Amor Além da Vida e Ecos do Além. O próprio Eu Sou a Lenda foi adaptado e se tornou um clássico da ficção científica apocalíptica, A Última Esperança da Terra, com Charlton Heston. No caso do filme, acontece uma guerra bacteriológica que mata a maior parte da humanidade e os sobreviventes se dividem em dois grupos: os que se transformaram em mutantes esquisitões (albinos e "do mal", como Hollywood gosta de fazer) e os que escaparam ilesos... mas estão com o vírus incubado e poderão desenvolvê-lo a qualquer momento. O livro é muito mais bacana: uma praga transforma TODA a humanidade em vampiros, com a exceção de um ÚNICO homem - que se acha no dever moral de matar todos os bilhões restantes. Não é patético nem engraçado, pelo contrário: é um livro bem angustiante.
Só que, infelizmente, ele não está na íntegra nesta coletânea. Eu cheguei a ficar frustrado, mas ao folhear o livro descobri outras coisas bastante interessantes, que compensam a compra: a novela Carmilla, de Sheridan Le Fanu, que é anterior ao Drácula de Bram Stoker e foi uma das referências deste para criar seu príncipe das trevas. Aliás, Stoker também comparece à antologia com O Hóspede de Drácula, um capítulo do livro que ficou de fora na edição final. Só estes dois já valem a compra - e olha que ainda tem um conto de Anne Rice no final. Para fãs de vampiros e de literatura clássica, uma boa pedida.

escrito por Fabio Fernandes | 1/17/2003 06:42:00 da manhã
 

Da Série: Blogs Bacanas. O hermano Jorge Rocha manda avisar:
senhoras e senhores: está no ar, em caráter experimental, o primeiro blog jornalístico coletivo da região norte fluminense: urgente ! , capitaneado por fátima nascimento, vitor menezes, rodrigo florêncio, jorge rocha e álvaro marcos, o perfil editorial do blog prima pela opinião, analisando fatos relevantes ao jornalismo - não só da região norte-fluminense, é bom frisar -, buscando discutir as variadas formas de levar uma notícia adiante. Venha com a gente. acesse http://www.urgente.blogspot.com. Aguardamos sua participação. Abraços.

escrito por Fabio Fernandes | 1/17/2003 06:24:00 da manhã


terça-feira, janeiro 14, 2003  

Vergonha de ser carioca.

escrito por Fabio Fernandes | 1/14/2003 06:44:00 da tarde
 

Relendo às pressas:
Clones Humanos: Uma Autobiografia Coletiva, de Clara Pinto Correia (editora Rocco). Para escrever uma matéria para sobre isto aqui.

escrito por Fabio Fernandes | 1/14/2003 09:51:00 da manhã


segunda-feira, janeiro 13, 2003  

Livros Recomendados:

O Século Eletrônico, de Alfred D. Chandler Jr (Editora Campus) - Quer saber por que o Japão é líder mundial de produtos eletrônicos de consumo e os EUA dominam o mercado de computadores? Chandler explica: Historiador de negócios e ganhador do Prêmio Pulitzer por The Visible Hand (1977), livro sobre a evolução das empresas norte-americanas, em O Século Eletrônico ele faz uma análise do ponto de vista gerencial da história da evolução das indústrias eletrônica e de informática. Mas está longe de ser um livro chato: Chandler conta a história das megacorporações RCA, Sony, Matsushita e Philips (e de alguns outros players do mercado, como Sanyo e Sharp) e os bastidores da criação de seus produtos, como o videocassete, o walkman e o DVD. O "plus a mais" está justamente na análise administrativa, e é aí que entendemos por que, entre outras coisas, a RCA se deu mal quando tentou diversificar demais seus negócios, adquirindo até mesmo editoras e empresas de material esportivo. Para quem gosta de tecnologia em geral, é um prato cheio.



Alan Turing: The Enigma, de Andrew Hodges. A biografia oficial do criador do Teste de Turing e um dos papas dos conceitos de computadores digitais e inteligência artificial. Como se não bastasse isso, Turing ainda fez parte da hoje famosa equipe de Bletchley Park, que decifrou o código alemão Enigma e foi determinante para que os Aliados ganhassem a Segunda Guerra Mundial. Não vi o filme sobre esse assunto que passou recentemente no Brasil, mas soube pelas críticas que Turing sequer é mencionado. Injustiça é pouco: sacanagem com um dos sujeitos mais inteligentes que já passaram pela superfície desta esfera azul. Turing teve uma vida atribulada, principalmente no final: gay assumido numa época em que homossexualidade era crime na Grã-Bretanha, ele foi preso em 1952 e condenado a tomar hormônios para "suprimir suas tendências", uma monstruosidade que nada ficava a dever às experiências nazistas. Deformado pelo tratamento e enfrentando uma forte crise de depressão, Turing cometeu suicídio em 1954. Como quase sempre ocorre, seu trabalho só foi realmente reconhecido após a sua morte, infelizmente. Quem se interessa por inteligência artificial deveria ler este livro correndo.

escrito por Fabio Fernandes | 1/13/2003 09:36:00 da tarde
 

Sem comentários.

escrito por Fabio Fernandes | 1/13/2003 01:21:00 da tarde


sexta-feira, janeiro 10, 2003  

Recuerdos de Salvador. Hoje estou aqui em casa, trabalhando como uma negra (não olhem assim pra mim, essa expressão é da Carmem Mayrink Veiga), e como uma coisa puxa outra, pensando em negra lembrei das negras baianas, do Pelourinho, do acarajé e lembrei de algo que escrevi quando estive lá, um poeminha sem pretensão, impressões da terra de Dorival Caymmi por um estrangeiro mezzo carioca, mezzo paulista:


Iluminações em Salvador

Um hare krishna na Praça da Sé.
McDonald´s na Bahia não tem acarajé.
O candomblé - oculto - se sustenta.
O resto da cultura tenta:
ensaio do Olodum é só pra inglês ver.
Putas e malandros ficam só esperando
Algum otário se foder
(comigo não, berimbau: carrego Copacabana e Lapa na memória)
Taxistas roubam, como na minha cidade.
Aqui quase me sinto à vontade.
Cybercafé no Pelô.
Um filhadaputa dum calor.
Perto do teclado, uma cervejinha.
Tracei quase tudo que tinha:
moqueca, marisco e xinxim de galinha.
Arrematei com charuto, café,
jenipapo, cajá,
sururu e lambreta:
esqueçam esta última rima -
não comi ninguém nem fiquei em cima.
No mais, tudo bem.
Gostei mas não volto ano que vem.

escrito por Fabio Fernandes | 1/10/2003 03:33:00 da tarde


quinta-feira, janeiro 09, 2003  

Dica de Pizza. Vocês vão estranhar uma dica de pizza num blog que só costuma falar de livros e ocasionalmente de música e filmes, mas não vou deixar passar essa. A Pizza Al Talio é um delivery de pizzas de primeira qualidade, capitaneada por um dos meus mais queridos amigos, o Álvaro Luiz (vulgo Kibe - não, não é o Kibe Loco), com quem estudei na Faculdade da Cidade e depois na Hélio Alonso (fizemos a migração juntos em 89, num momento de inflação em que a mensalidade da Faculdade da Cidade (hoje UniverCidade) praticamente havia dobrado em poucos meses. Hoje infelizmente nos vemos pouco, mas a amizade continua.
Chega de nostalgia: se você mora na Zona Sul do Rio de Janeiro e quer uma pizza supergostosa com uma média de atendimento de 25 minutos, a opção é essa!

escrito por Fabio Fernandes | 1/09/2003 01:01:00 da tarde
 

Valeu, Álvaro!

escrito por Fabio Fernandes | 1/09/2003 12:51:00 da tarde
 

Tem coisa nova no Pequeno Dicionário.

escrito por Fabio Fernandes | 1/09/2003 12:49:00 da tarde


quarta-feira, janeiro 08, 2003  

O Blog de William Gibson. Um dos últimos livros que li no apagar das luzes de 2002 foi Neuromancer, o livro seminal da geração cyberpunk, que redefiniu a ficção científica nos anos 80. Muitas das coisas que escrevi entre 1987 e 1999 (e que vocês dificilmente lerão porque está tudo disperso em fanzines de papel e em uma coletânea em formato e-book que foi um fracasso absoluto em 2000, apesar de ter recebido um prêmio literário, por incrível que pareça) foram inspiradas nos quadrinhos de Alan Moore e nos escritos cyberpunks de Bruce Sterling e William Gibson. Neuromancer eu li pela terceira vez (recorde absoluto entre livros de FC, que nunca costumo reler, salvo uma ou outra coletânea de contos), desta feita para um trabalho do mestrado de Comunicação e Semiótica da PUC-SP. Pois não é que o antenado e descolê Rodolfo S. Filho, do ótimo Leituras do Dia, descobriu que o sujeito também tem seu blog? Não sei se ele acabou de começar o dito-cujo, porque os arquivos são pouquíssimos, mas o que tem já vale a leitura. E agora é esperar o novo livro do homem, Pattern Recognition.

escrito por Fabio Fernandes | 1/08/2003 11:57:00 da tarde
 

Livros recomendados (os primeiros lidos este ano):
Bridget Jones: No Limite da Razão, de Helen Fielding (Editora Record) - Ok, ok, os leitores mais hardcore certamente vão me sacanear, mas what the hell: é divertido! Não tanto quanto o primeiro, que gerou aquele filme simpático com a Renée Zellweger e o canastra-real Hugh Grant, mas vale a leitura. Quanto mais não seja pela estranha semelhança que agora me ocorre entre o mundo de Bridget e o blogverso. Mais não digo, para que não me chamem de pulha como já fizeram em tempos de antanho...

Um Despertar Gradual, de Stephen Levine (Editora Pensamento) - Este na verdade é uma releitura, que eu andava querendo fazer há tempos, mas não encontrava o livro na bagunça dos meus guardados na casa dos meus pais no Rio. Achei-o no revéillon e, com os problemas dos primeiros dias deste ano, foi leitura muito bem-vinda e mais que recomendada: trata-se de um guia de meditação. Sem enrolação, sem meter religião no meio, sem nada além de pura e simples meditação. Se bem que nada em meditação é puro ou simples, mas assim é a vida. E meditação não faz mal nenhum a ninguém, muito pelo contrário: acho que, neste mundo descolê em que muitos de nós blogonautas vivemos, é preciso estar atento e forte, como dizia aquela canção antiga. E meditação é mente alerta. Repito, sem religião ou papo esotérico de botequim. Quem já fez sabe. E é isso.

escrito por Fabio Fernandes | 1/08/2003 08:52:00 da tarde
 

Trabalhando ao som de Rita Lee (nos tempos do Tutti Frutti) e Genesis (antes, muito antes de Phil Collins). É bom pra chuchu.

escrito por Fabio Fernandes | 1/08/2003 06:42:00 da tarde
 

Os arquivos estão de volta.

escrito por Fabio Fernandes | 1/08/2003 06:41:00 da tarde


terça-feira, janeiro 07, 2003  

Falando em livros, quem está escrevendo um é a Rossana Fischer, dona de um dos blogs mais bonitos e sensíveis do ciberspaço e que eu, por pura distração, acabei não colocando na minha lista de links: o Wumanity. A Rossana entrou em contato comigo há pouco tempo para falar de seu livro e pedir permissão para publicar fragmentos de um texto que publiquei na [Mão Única?]no começo do ano passado. O texto se chama Em Busca do Conteúdo Perdido e pode ser lido aqui. E você, Rossana, já está na minha lista de links prediletos - exatamente como no tempo do Lanceiro Livre, lembra? Um beijo procê e sucesso com o livro!

escrito por Fabio Fernandes | 1/07/2003 11:47:00 da tarde
 

Os arquivos continuam desaparecidos. Ofereço recompensa a quem encontrá-los.

escrito por Fabio Fernandes | 1/07/2003 11:39:00 da tarde
 

Putz, o Persegonha largou na minha frente este ano! Já detonou seu primeiro livro!!!

Eu comecei em marcha lenta, por motivos já citados abaixo. Mas daqui a pouquinho engreno - ainda que este ano, como o mestrado vai pegar fogo, eu não vá conseguir ler tanto quanto em 2002.

escrito por Fabio Fernandes | 1/07/2003 11:37:00 da tarde
 

Este blog é de paz mas tudo tem limite. Os arquivos do Pólis sumiram quase todos há dois dias, e nem o help do Blogger me ajudou. Alguém sabe o que fazer numa hora dessas (tirando sentar no meio-fio e chorar)?

escrito por Fabio Fernandes | 1/07/2003 06:36:00 da tarde


segunda-feira, janeiro 06, 2003  

Efemérides. No dia 1o., completaram-se vinte anos da migração da ARPANet para o protocolo TCP/IP, o que deu origem à Internet como a conhecemos.

Hoje, dez anos sem o magistral Dizzy Gillespie.

Naveguem bastante e ouçam "A Night In Tunisia". Vale a pena.

escrito por Fabio Fernandes | 1/06/2003 09:17:00 da tarde


domingo, janeiro 05, 2003  

Por motivo de falecimento na família, este blog ficou sem funcionar nos últimos dias. Aguardem mais um dia ou dois que eu volto. Enquanto isso, tem conto novo no Arquétipos.

escrito por Fabio Fernandes | 1/05/2003 10:31:00 da manhã